• Felipe S Cohen

Da pandemia para a vida: O nascimento de uma comunidade Maker

Por Ana Luisa Silva e Lucas Saldanha Werneck

No mundo inteiro a comunidade Maker se organizou para tentar oferecer aos profissionais de saúde uma ajuda de peso no combate à Covid-19 desenvolvendo, via impressão 3D, Face Shields (em português, protetores faciais), um tipo de equipamento de proteção individual. A ideia surgiu quando percebeu-se que, além da crescente dificuldade em adquirir máscaras de proteção, apenas seu uso não apresentava a eficiência necessária no combate à pandemia. Foi pensando na necessidade de oferecer assistência e garantir maior segurança aos profissionais da linha de frente que a Prusa Research (empresa checa fundada por Josef Prusa em 2012) resolveu agir, iniciando uma ação orientada para a produção e distribuição de milhares de protetores faciais aos profissionais de saúde de Praga e demais cidades da República Checa.

No Brasil, em meados de março, iniciava a nossa luta declarada contra o corona vírus. Vários projetos visando auxiliar no seu combate tiveram início neste período, dentre eles o SOS3D Covid-19. Fazendo uso da tecnologia 3D, o SOS3D começou com um pequeno grupo de Makers apoiados principalmente pela UFRJ e PUC-Rio, na cidade do Rio de Janeiro, cujo intuito era auxiliar na proteção e prevenção da doença pelos profissionais de saúde, por meio da produção de protetores faciais. A ação, que rapidamente ficou conhecida e incentivou projetos semelhantes, mobilizou aproximadamente cinquenta Makers de diferentes regiões do Estado do Rio de Janeiro, resultando em uma produção coletiva de quase 20 mil protetores faciais, que abasteceram cerca de 200 instituições, dentre hospitais públicos e particulares, unidades de saúde e serviços essenciais, além de unidades de segurança pública. O projeto também contribuiu com a produção de óculos de proteção, suporte para máscaras e até mesmo com a produção de álcool 70˚, líquido e gel, em uma parceria com o IMA/UFRJ.

O grupo de Makers SOS3D, além de organizar uma rede colaborativa de modelagem e prototipagem para o desenvolvimento de diversos tipos de protetores, também trabalhou em conjunto com os profissionais de saúde para a validação e otimização das peças impressas. Da pandemia para a vida, essa é a visão do grupo que reúne profissionais de diversas áreas e que almeja um objetivo comum: que a experiência adquirida nesse momento caótico da história mundial revolucione de vez o uso da impressão 3D, disseminando-a de forma correta e responsável, e mostrando que seu uso desafia os limites do possível, transformando sonhos em realidade.


Isso demonstrou como um grupo de Makers, que não são especialistas na área da saúde, atenderam demandas específicas muito mais rapidamente que as fábricas e empresas de produção especializadas na área. Nota-se, portanto, o grande potencial da Impressão 3D para rápida prototipagem, produções descentralizadas, fabricação em grande escala, e em caráter de emergência, oferecendo soluções com um nível de eficiência sem precedentes no mundo todo.


0 visualização